SUCEN - Superintendência de Controle de Endemias

A A A Tamanho do texto

Vetores

Os vetores LTA são insetos pertencentes a ordem Díptera da família Psychodidae. É comumente chamado de flebotomíneo e popularmente conhecido por mosquito palha, birigui ou cangalhinha. É pequeno, coberto de pêlos e de coloração clara (cor de palha ou castanho claro). Como características os flebotomíneos são facilmente reconhecíveis pelo seu comportamento ao voar em saltitos e pousar com as asas entreabertas e ligeiramente levantadas, em vez de se cruzarem sobre o dorso. Vivem, preferencialmente, ao nível do solo, próximos a vegetação em raízes e/ou troncos de árvores, podendo ser encontrados em tocas de animais. Gostam de lugares com pouca luz, úmidos, sem vento e que tenham alimento por perto.
De um modo geral, para seu desenvolvimento, requerem temperaturas entre 20 e 30ºC, umidade superior a 80% e para os estádios imaturos, solo rico matéria orgânica, essencial para o desenvolvimento das larvas. Ambos os sexos necessitam de carboidratos, que são extraídos da seiva de plantas como fonte energética. As fêmeas precisam ingerir sangue para o desenvolvimento dos ovos. Costumam então picar a partir do por do sol até a madrugada.
Das 700 espécies de flebotomíneos conhecidas no mundo, 400 ocorrem no continente americano e no ESP são conhecidas 60 espécies, embora nem todas possam ser incriminadas como vetoras das leishmanioses.Entre as espécies que ocorrem no ESP, destacam-se: Lutzomyia intermedia, L. migonei; L. whitmani; L. pessoai e L. fischeri. Cabe ressaltar que embora ainda não tenha sido confirmada a infecção natural de L. fischeri, esta espécie é considerada como vetor potencial devido a sua abundância em áreas de transmissão, endofilia e antropfilia comprovada. Recentemente outra espécie – L. edwardsi – ntra no elenco das espéies consideradas como potenciais, por ter sido identificada sua infecção natural por L. braziliensis (Camargo-Neves 2006).
Em levantamento realizado pela SUCEN, no período de 1986 a 1995, verificou-se que L. intermedia s.l. representou 80,1% dos exemplares coletados; L. whitmani 9,8%; L. fischeri 3,7%; L. migonei 2,9% e L. pessoai 1,1% (Camargo-Neves et al 1998 e Camargo-Neves 1999).
As espécies L. intermedia s.l. e L. migonei vem sendo as espécies encontradas em todas as regiões do Estado; sendo atribuída a primeira o papel principal na transmissão da LTA em ambiente alterado pela ação antrópica, ressaltando-se sua acentuada adaptação a ecótopos artificiais no ambiente domiciliar, e a segunda, assume importância no ambiente extradomiciliar, tendo sido demonstrada alta correlação da presença desta espécie às maiores médias dos coeficientes padronizados de incidência no período de 1986 a 1995.

Comunicar Erro




Enviar por E-mail






Colabore


Obrigado