brasão governo do estado de são paulo

Em atendimento à legislação eleitoral (Lei nº 9.504/1997), os demais conteúdos desse site ficarão indisponíveis de 5 de julho de 2018 até o final da eleição estadual em São Paulo.

A A A Tamanho do texto

Sírio-Libanês assume gestão de hospital e ambulatório estadual em SP

Acordo entre a Secretaria de Estado da Saúde e o Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês foi oficializado nesta 6ª

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo oficializou nesta sexta-feira, 27 de janeiro, acordo com o Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês, para gestão do Hospital Geral do Grajaú e do AME (Ambulatório Médico de Especialidades) Interlagos, ambos na zona sul da capital.

Os dois serviços estaduais atendem, pelo SUS (Sistema Único de Saúde), a uma população de mais de dois milhões de habitantes que moram entre os bairros Capela do Socorro e Parelheiros. É a primeira vez que o Sírio passa a administrar unidades públicas estaduais de saúde, sob o modelo de OSS (Organização Social de Saúde) implantado desde 1998 pelo governo paulista.

Com contrato para os próximos cinco anos, o Sírio deverá receber mais de R$ 600 milhões da Secretaria para administrar o hospital e o AME. Para 2012 o orçamento do hospital do Grajaú cresceu 16,7%, passando de R$ 89 milhões para R$ 103,8 milhões. O AME teve seu orçamento reajustado em 11,5%, passando de R$ 10,4 milhões para R$ 11,6 milhões em 2012.

No Hospital Geral Grajaú, referência em maternidade de alto risco e de atendimento de média complexidade, o contrato prevê 14.496 internações e 288 mil atendimentos de urgência no primeiro ano. Além disso, a OSS deve garantir a realização de pelo menos 1.200 exames de ultrassonografia ainda em 2012. Os contratos são flexíveis e ajustados conforme a demanda. O hospital tem atualmente 246 leitos operacionais e 1.245 funcionários.

Já no AME Interlagos, referência ambulatorial na região, o contrato prevê a realização de 102.960 atendimentos ambulatoriais por ano entre as 20 especialidades médicas que a unidade oferece, 50.088 atendimentos não médicos, 1.620 cirurgias ambulatoriais e 6.576 diagnósticos em radiologia, endoscopia e especialidades.

Segundo a diretora geral do Hospital Geral do Grajaú e do AME Interlagos, Jocelene Batista Pereira, este tipo de parceria com OSS permite utilizar recursos do Estado para melhorar a assistência em saúde aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), com gestão eficiente e ágil.

"Queremos aprimorar ainda mais essa gestão, conseguindo manter o custo previsto no orçamento mas mantendo um padrão de excelência e qualidade ao atendimento médico prestado à população. Pretendemos também ampliar a área de ensino e pesquisas na unidade", diz a diretora.

A expectativa é que, durante a vigência do contrato de gestão, a Secretaria amplie do número de cirurgias realizadas pelo AME e promova a implantação de um hospital-dia para prestar atendimento e assistência aos pacientes que serão submetidos a procedimentos terapêuticos, pequenas cirurgias e aqueles que necessitam de observação de até 12 horas.

O modelo de hospital-dia visa proporcionar melhor gestão dos leitos de internação clínica e cirúrgica, possibilitando ampliar o atendimento, além de permitir ao paciente permanecer mais tempo com a família.

Em relação ao Hospital Geral do Grajaú, a prioridade é rever os fluxos do pronto-socorro e a estrutura física para melhor atender aos pacientes, em parceria e integração com os demais serviços de saúde existentes na região. Gradativamente a unidade deverá se tornar referência em atendimentos especializados em neurotraumas, incluindo a realização de neurocirurgias.

"O SUS paulista ganha dois equipamentos públicos de saúde com a grife do Sírio Libanês, um hospital reconhecido pela excelência e qualidade de seu corpo clínico e administrativo", afirma Giovanni Guido Cerri, secretário de Estado da Saúde.

Organizações Sociais de Saúde

Atualmente 37 hospitais, 38 ambulatórios, 1 centro de referência, duas farmácias e três laboratórios de análises clínicas do Estado são administrados por Organizações Sociais de Saúde. Os novos hospitais, inaugurados desde 1998, colocaram a serviço do SUS cerca de 6.000 novos leitos no Estado de São Paulo.

O contrato de gestão com as OSS define as metas assistenciais de saúde que o hospital deverá atingir, seja de quantidade ou qualidade.

O Estado tem a responsabilidade da manutenção financeira desses hospitais e controla onde e como é investido o dinheiro público.

Mensalmente o governo paulista recebe um relatório com a prestação de contas das OSS, contendo a discriminação dos gastos e do atendimento realizado. O documento é encaminhado, posteriormente, ao Tribunal de Contas do Estado e a uma comissão composta por dois representantes do Conselho Estadual de Saúde, outros dois da Comissão de Saúde da Assembléia Legislativa e por técnicos indicados pela Secretaria, garantindo a transparência do processo.

As Organizações Sociais de Saúde paulistas inspiraram modelos similares adotados por estados como Rio de Janeiro e Bahia, além de municípios como São José dos Campos, Guarulhos e a capital paulista.

 

Publicado por Assessoria de Imprensa em