brasão governo do estado de são paulo

Em atendimento à legislação eleitoral (Lei nº 9.504/1997), os demais conteúdos desse site ficarão indisponíveis de 5 de julho de 2018 até o final da eleição estadual em São Paulo.

A A A Tamanho do texto

SP ganha primeira clínica pública para jovens dependentes de álcool e drogas

O Estado de São Paulo ganhou em 27 de janeiro, a primeira clínica pública de internação para adolescentes dependentes de álcool e drogas. Sediada em Cotia, na Grande São Paulo, a unidade é uma parceria entre a Secretaria de Estado da Saúde e o Hospital Samaritano. A inauguração contou com a presença do governador José Serra e do Secretário de Estado da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata. 

Batizada de Projeto Jovem Samaritano, a clínica irá oferecer 30 leitos de internação e terá capacidade de atender anualmente cerca de 120 adolescentes entre 14 e 18 anos de idade. O investimento para a implantação da unidade foi de cerca de R$ 1 milhão. A manutenção do serviço foi orçada em cerca de R$ 1,7 milhão por ano.

Com uma área física de cerca de quatro mil metros quadrados, a unidade vai contar também com uma ampla sala de convivência para os adolescentes, sala de aula com computadores, quadra poliesportiva, horta para aulas de jardinagem, refeitório e ambulatório.

O tempo médio de permanência dos jovens será de um a três meses. Durante esse período, os pacientes vão contar com a participação da família em algumas atividades, o que será importante para o sucesso da recuperação. As atividades físicas, educacionais e orientação vocacional também fazem parte do processo de tratamento.

O modelo da nova unidade foi baseado na Clínica Chestnut, em Illinois, nos Estados Unidos. A técnica americana incorpora a participação da família no tratamento, além das demais atividades oferecidas.  Nos EUA a recuperação supera os 70%. 

O encaminhamento dos jovens será feito por meio das Secretarias de Saúde dos municípios, Ministério Público, Poder Judiciário, além dos conselhos tutelares. Não serão admitidos na clínica adolescentes infratores. 

"É um novo modelo de tratar esses pacientes, que antes tinham como opção apenas o atendimento ambulatorial nos Caps (Centros de Atenção Psicossocial) ou internações curtas em hospitais gerais, para desintoxicação. A participação dos familiares, aliado com as demais técnicas ao longo do tratamento, é fundamental para a recuperação dos jovens", afirma o secretário de Estado da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata.

Publicado por Assessoria de Imprensa em